Setor de eucalipto e celulose solúvel é tema de visita do Governo da Bahia

Conhecer operações da Bracell na Bahia, estreitar as relações e ampliar a visibilidade das atividades de produção de eucalipto e de celulose solúvel foi o foco de visita institucional que uma comitiva técnica da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia (SDE) fez, essa semana, às instalações das unidades da empresa em Camaçari e Entre Rios. Laís Maciel, diretora de Interiorização do Desenvolvimento e Fomento à Indústria de Energias Renováveis, e Juliana Oliva, coordenadora de Fomento à Indústria de Energias Renováveis, ambas da SDE, demonstraram entusiasmo com o potencial da empresa e destacaram a necessidade de estimular o desenvolvimento de políticas para fortalecer o setor. 

“A visita à Bracell foi para iniciarmos o contato com o setor de celulose solúvel e conhecer um pouco mais o que está sendo produzido na Bahia em nível de qualidade, tecnologia e empregabilidade. É importante a gente saber que tem um mercado de celulose solúvel especial, de qualidade, com tecnologia além do papel”, declara Laís. 

A diretora da SDE espera estabelecer um vínculo entre a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e a Bracell a fim de se melhorar a comunicação entre as partes. “Para que o Governo possa construir políticas públicas eficientes para fomentar o setor, não só para manter o que já tem aqui, mas para atrair novos investimentos para a área”.

Para Laís, “é preciso entender que a celulose está mais perto da gente do que se imagina” e que o produto “é uma alternativa para substituir matérias-primas com origem em combustíveis fósseis. O desconhecimento faz com que muitas pessoas acreditem no mito de que uma floresta plantada, que ocupa uma área antropizada, causa um mega impacto, quando, na verdade, o impacto maior é com o que a gente já está utilizando hoje, que são os produtos de origem no petróleo. Então, a floresta plantada pode ser desmistificada quando a gente começar a disponibilizar mais informações”, acrescenta. Outro ponto de destaque foram os programas sociais e ambientais da Bracell que já beneficiam mais de 50 mil pessoas no litoral norte, agreste e recôncavo da Bahia.

O encontro, que faz parte das iniciativas de diálogo e transparência nas relações institucionais da Bracell BA, reuniu apresentações sobre as operações florestais e industriais, visitas ao Viveiro Quatis e em uma área de plantio de eucalipto, em Entre Rios, além da fábrica de celulose solúvel, em Camaçari.

Para Laís, “é preciso entender que a celulose está mais perto da gente do que se imagina” e que o produto “é uma alternativa para substituir matérias-primas com origem em combustíveis fósseis. O desconhecimento faz com que muitas pessoas acreditem no mito de que uma floresta plantada, que ocupa uma área antropizada, causa um mega impacto, quando, na verdade, o impacto maior é com o que a gente já está utilizando hoje, que são os produtos de origem no petróleo. Então, a floresta plantada pode ser desmistificada quando a gente começar a disponibilizar mais informações”, acrescenta. Outro ponto de destaque foram os programas sociais e ambientais da Bracell que já beneficiam mais de 50 mil pessoas no litoral norte, agreste e recôncavo da Bahia. 

O encontro, que faz parte das iniciativas de diálogo e transparência nas relações institucionais da Bracell BA, reuniu apresentações sobre as operações florestais e industriais, visitas ao Viveiro Quatis e em uma área de plantio de eucalipto, em Entre Rios, além da fábrica de celulose solúvel, em Camaçari.

Para esclarecimentos adicionais, 
Vinícius Costa
Coordenador de Planejamento
ATcom – Estratégia, Relacionamento e Conteúdo
71 3271.7171 l 9 9918.9642 http://www.agenciaat.com   
Compartilhe nas redes sociais