Dependência é tema de evento gratuito e aberto ao público em Salvador

Próxima edição do Encontros Holiste aborda “Comportamentos dependentes”, e ocorre no dia 21 de novembro, às 19h, com vagas limitadas

Dr. Luiz Guimarães / Foto: Divulgação

 

A dependência química é um dos transtornos da saúde mental mais debatidos, conhecidos e que causa consequências para a sociedade e para a pessoa que sofre a dependência. Além disso, o problema cresce e se agrava com o surgimento de novas substâncias, a banalização do uso de drogas legalizadas e as vezes até necessárias, como as medicações controladas, e pela falta de leitos hospitalares psiquiátricos para os pacientes que necessitam de internação. Apesar disso tudo, a dependência ainda é um assunto envolvido em tabus e mitos, que em nada contribuem para a melhoria do quadro.

O tema será abordado em palestras gratuitas e abertas ao público, em Salvador, no dia 21 de novembro, às 19h, no auditório da Holiste Psiquiatria. O evento marca mais uma edição do Encontros Holiste.

O debate terá início com a palestra do psiquiatra Luiz Guimarães, que aborda o tema “Impulsividade, compulsões e dependências”. “Muito se fala sobre as dependências químicas – álcool e drogas -, mas essas são apenas algumas das facetas dos comportamentos dependentes. Além disso, é preciso entender que o problema não é determinada substância, ele está relacionado ao mecanismo de recompensa do cérebro, que reforça um comportamento”, explica o médico.

O médico ressalta que é desse ponto que surgem as inadequações para lidar com as “normas sociais”, as reações impulsivas, as compulsões, as dependências – com uso de substâncias ou não – e os comportamentos se tornam patológicos.

“Pesquisas apontam que, aproximadamente, 6% da população brasileira é dependente química. A dependência química é um transtorno mental que pertence à família das compulsões. Nesse caso, o comportamento compulsivo está relacionado ao uso e abuso de uma ou várias substâncias químicas, chegando ao ponto de fugir do controle do usuário. As substâncias mais comuns nos casos de dependência são o álcool, o cigarro, a maconha, a cocaína, o crack, drogas sintéticas, como LSD e Ecstasy, além dos psicofármacos”, completa.

Na sequência do evento, o psicólogo Pablo Sauce aborda “O papel da família no tratamento”. Ele ressalta que, na maioria dos casos de dependência, quem procura pelo tratamento é a família, seja de forma direta ou indireta, pressionando o dependente a tomar uma atitude que este não consegue por si mesmo.

“A família tende a ficar refém da situação, sendo levada a ocupar o lugar de cúmplice ou de empecilho. No primeiro caso, produzindo um estreitamento do vínculo conhecido como co-dependência; no segundo, um afastamento vincular que leva ao isolamento. Esses dois aspectos vinculares – aparentemente contraditórios, para os quais a família é convocada – não necessariamente se excluem, quando se intercalam. Como lidar com essa encruzilhada será o tema de nosso encontro”, convida Pablo Sauce.

Após as palestras, será aberto espaço para debate com o público. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas pelo linkencontros.holiste.com.br.

 

Serviço

O que: Encontros Holiste

Tema: Comportamentos dependentes

Quando: 21 de novembro, às 19h

Onde: Auditório da Holiste Psiquiatria

Inscrições: encontros.holiste.com.br

*Evento gratuito com vagas limitadas.

Compartilhe nas redes sociais